CinePipocaCult : blog de cinema

recentes

O Enigma da Pirâmide

Cartaz de O Enigma da Pirâmide E já que ontem eu falei do possível substituto a Harry Potter, hoje resolvi relembrar um precursor do bruxinho. Trata-se, na verdade, do Jovem Sherlock Holmes, uma livre adaptação de Chris Columbus, dirigido por Barry Levinson com a produção de, vejam só, Steven Spielberg. Clássico da Sessão da Tarde, o filme inventa, e faz questão de ressaltar isso, uma juventude do famoso detetive que nunca foi pensada por Arthur Conan Doyle. Aqui, Holmes é apenas um estudante promissor e acaba de conhecer seu novo colega de quarto, o atrapalhado John Watson. Os dois garotos ficam amigos e, junto à senhorita Elizabeth Hardy, vão tentar desvendar um grande mistério que assola a Londres Vitoriana, suicídios inexplicáveis de pessoas, antes sensatas, em surtos estranhos. O clima do colégio inglês é bem parecido com o de Hogwarts, com direito a um garoto louro que se acha o máximo e é desafeto do herói e um professor enigmático que parece defendê-lo de tudo.

Aventura e suspense são bem dosados no roteiro, com uma produção impressionante para o ano de 1985. O filme chegou a ser indicado ao Oscar de efeitos especiais, tendo sito o primeiro a introduzir um personagem em computação gráfica no cenário real. Há vários momentos interessantes nesse intuito, principalmente nas alucinações que as vítimas têm antes de cometerem o ato insano contra a vida. O ponto negativo fica por conta da interpretação extremamente caricatural de Susan Fleetwood na parte final do filme. No geral, mesmo os jovens conseguem dosar bem o tom.


Nicholas Rowe como Sherlock Holmes e Alan Cox como John Watson Feito nos tempos de hoje, com certeza o longa teria continuações podendo se tornar uma saga de sucesso. Mas na época era apenas mais um filme a ser passado na Sessão da Tarde. Interessante como a indústria cinematográfica mudou com o passar do tempo. Mal contabilizou a primeira semana da bilheteria e lá vem anúncio da parte dois. Não dá para saber até que ponto isso é bom ou ruim. Afinal, a saga do jovem Sherlock Holmes tinha tudo para dar certo. Há um clima divertido, inteligente, sagaz no texto, misturando fatos históricos com aventura, bem ao sabor da Saga de Harry Potter, como já foi dito. Gostaria de ter visto uma continuação dos mesmos autores, ainda que fosse em formato de seriado, a exemplo de Smallville. O que parece que vem por aí é uma série de livros que, se fizer sucesso, pode voltar em forma de filmes. Só nos resta aguardar.

Em tempo, o nome O Enigma da Pirâmide foi acrescido ao original, The Young Sherlock Holmes, para aproveitar o sucesso de Indiana Jones e o Templo da Perdição lançado no ano anterior. Aliás, a cena da pirâmide, lembra muito as cenas do templo, com os fanáticos cantando, um ritual medonho acontecendo e os heróis escondidos assistindo do alto.

CinePipocaCult :: bom cinema independente de estilo Designed by Templateism.com Copyright © 2014

Tecnologia do Blogger.