08/12/2010

Vidas em jogo

Michael DouglasAproveitando o sucesso de A Rede Social, venho resgatar um filme pouco comentado de David Fincher. Vidas em jogo é um suspense incrivelmente bem feito e protagonizado com maestria por Michael Douglas, tendo ainda Sean Penn em ótima atuação. O princípio do argumento pode lhe lembrar O Vingador do Futuro, naquela brincadeira de o que faz parte do jogo e o que é realidade. O problema é que Nicholas Van Orton, o personagem de Douglas, não teve nada implantado em sua mente. A trajetória, então, me lembrou os jogos de realidade alternativa (ARGs), em que sua vida se vê, de repente, misturada com algo completamente confuso e bem articulado.

Michael DouglasNicholas Van Orton é um empresário bem sucedido, mas extremamente infeliz. Sua vida pessoal não existe. Não tem amigos, sua esposa o largou, sua rede social é feita de empregados. No dia do seu aniversário, ele recebe de seu irmão um presente inusitado. Um cartão promocional de uma empresa de entretenimento. Sem saber exatamente do que se trata, ele vai fazer o cadastro e vê sua vida transformada em uma realidade alternativa em que ele tem que jogar um jogo que não sabe as regras. As situações vão se apresentando e ele tem que descobrir como sair delas.

O nome original do filme é The Game, ele se inscreve na empresa e é informado que o jogo começará a qualquer momento. Então, é óbvio que somos levados a crer que as coisas ruins que começam a acontecer em sua vida são parte do grande jogo. Mas, em determinado momento, a dúvida começa a pairar. Afinal, o mistério sobre a empresa era tão grande, será que é isso mesmo? Não estaria fácil demais a resolução? É nesse jogo de dúvidas que David Fincher e os roteiristas John D. Brancato e Michael Ferris nos conduzem em um suspense eletrizante. O final é inteligente e brinca com nossas expectativas e referências.

Vidas em Jogo - 1997E para manter um suspense tão bom, é preciso boas atuações. Michael Douglas consegue dar uma carga dramática a Nicholas Van Orton, fazendo-o se desesperar aos poucos e de forma crível. Um empresário controlador como ele, não iria se deixar levar por qualquer susto. Da mesma forma, Sean Penn nos deixa dúvidas se Conrad Van Orton é um lunático que colocou o irmão em uma enrascada ou se sabe exatamente o que está fazendo. Os secundários mantêm o nível, nos segurando na cadeira até a última ação.

Que os elogios até agora não criem uma expectativa extrema. É um bom suspense, com efeitos bem colocados, uma direção segura, um texto envolvente e atuações boas, mas não chega a ser uma obra-prima de Fincher. Não tem a inovação de um Clube da Luta, nem uma profundidade de um Seven ou o frescor de A Rede Social. Mas, tem os seus méritos. Coloca em cheque a materialidade humana e até que ponto podemos repensar as nossas atitudes. Vale conferir.


Amanda Aouad

Amanda Aouad é Mestre em Comunicação e Cultura Contemporânea pela UFBA, especialista em Cinema pela UCSal e roteirista de Ponto de Interrogação, Cidade das Águas e Vira-latas. É ainda professora de audiovisual, tendo experiência como RTVC e assistente de direção. Membro da Abraccine (Associação Brasileira de Críticos de Cinema), Sociedade Brasileira de Blogueiros Cinéfilos e da Liga dos Blogues Cinematográficos.

8 opiniões:

renatocinema disse...

Filmaço.......um dos meus prediletos. Adoro esse estilo.

8 de dezembro de 2010 14:27 Excluir comentário
Reinaldo Glioche disse...

Mas para o Fincher chegar aos resultados que chegou em O clube da luta esse filme é vital vc não acha?
Acho os elogios por ti proferidos justíssimos, bem como a ressalva de que o filme não está entre os cabeças na filmografia do cineasta.
bjs

8 de dezembro de 2010 14:50 Excluir comentário
Amanda Aouad disse...

Gosto do estilo também, Renato.

Concordo, Reinaldo, tudo faz parte da evolução. Esse filme tem sua importância.

bjs

8 de dezembro de 2010 19:24 Excluir comentário
renatocinema disse...

Nessa linha de loucura, melhor que esse, só assisti Nove Rainhas, filme argentino, infelizmente, nunca lançado em dvd no Brasil.

8 de dezembro de 2010 19:34 Excluir comentário
Cristiano Contreiras disse...

Eu prefiro bem mais ele que os idolatrados "Seven" ou até o recente "A Rede Social". E aqui temos a melhor e talvez única boa atuação de Michael Douglas, hehe.

Filmaço e o final é uma bela reflexão!

Que bom que trouxe ele aqui, poucos conhecem esse filme.

bj

8 de dezembro de 2010 19:35 Excluir comentário
Kamila disse...

Ah, "Vidas em Jogo"! Para mim, um dos grandes filmes do David Fincher. Aqui, a gente já vê algumas das marcas do cinema dele, como essa fotografia em tons mais escuros e os personagens principais de personalidades fortes. acho o roteiro desta obra e a atuação do Michael Douglas muito boas.

8 de dezembro de 2010 19:47 Excluir comentário
renatocinema disse...

Como sou teimoso e ouvi "reclamação" de um amigo por ter escrito duas vezes sobre o mesmo filme, mesmo que de forma diferente, escrevo a terceira só de birra.
"vidas em jogo" é um dos meus prediletos,o melhor de David Fincher ("Seven"). No estilo, só perde para "Nove Rainhas" uma obra-prima do cinema argentino. Não sou fã dos hermanos no futebol. Mas, no cinema eles, na minha opinião são melhores do que nós. Basta assistir qualquer filme com Ricardo Darin para comprovar isso.

9 de dezembro de 2010 05:00 Excluir comentário
Jurubeba disse...

Amanda,

Pode não ser o melhor filme do Fincher, mas pela crítica deu uma vontade enorme de assistir. Gostei!

9 de dezembro de 2010 12:32 Excluir comentário

Postar um comentário

Anterior Próximo Página Inicial
Related Posts with Thumbnails