Baronesa : CinePipocaCult :: bom cinema independente de estilo

CinePipocaCult : blog de cinema

recentes

Baronesa

Baronesa - filme

Grande vencedor da Mostra Tiradentes de 2017, o documentário Baronesa foi o escolhido para encerrar o 6º Olhar de Cinema de Curitiba e não poderia ter escolha melhor. Em um festival tão diverso quando o da capital paranaense, onde o olhar político e social é sempre privilegiado, o filme de Juliana Antunes cai como uma luva, uma maneira de refletir sobre tudo que foi visto na última semana.

O documentário acompanha a vida de ​Andreia​ ​e​ ​Leidiane, duas moradoras de uma favela local que está em guerra de gangues rivais por causa do tráfico. Isso assusta e incomoda Andreia que quer se mudar para um terreno que invadiu no fictício bairro de Baronesa. Já Leidiane parece não se importar, convivendo e aceitando sua realidade com quatro filhos, um marido preso e um futuro incerto.

Baronesa - filmeA linguagem do filme é literalmente o conceito de "mosca na parede" do movimento do cinema direto, onde a câmera não interfere na rotina dos retratados, expondo-os de maneira extremamente íntima, como se não estivesse ali. Assim, flagramos momentos delicados como uma problema sério com uma das crianças que chega a incomodar diante da gravidade da mesma e da reação de mãe e tia diante do acontecido. Temos também momentos líricos, como uma brincadeira com água ou conversas divertidas entre Andreia e Negão, um rapaz que está sempre por ali.

A presença de Negão, no entanto, não tira o caráter extremamente feminino da obra. O que chama atenção, já que o universo da favela é sempre retratado de maneira tão masculina, até pela violência e disputas existentes. A inversão do olhar que traz simbologia até mesmo no título da obra e do bairro fictício constrói uma observação única sobre a situação da mulher da periferia, seus pensamentos, anseios e dores sofridas. Um universo onde o homem está sempre ausente, preso, morto ou em risco.

Baronesa - filmePresenciar o pensamento de Andreia é fascinante e assustador ao mesmo tempo. Seu raciocínio diante da realidade que vive, tudo que já sofreu, inclusive abuso sexual na infância, os medos, os anseios. A maneira como diz ter se fechado ao amor, mas cria um vínculo afetivo com Negão. A preocupação com seu irmão preso que é retratada em uma singela cena de escrita de uma carta. A maneira como coisas simples se tornam tão caras em uma realidade dura como aquela. Não é de se estranhar que ela queira fugir dali, que anseie por algo novo, seguro. E que esse local seja fictício, como se algo assim não lhe fosse permitido de fato.

Há, talvez, apenas algumas questões éticas com uma abordagem tão explícita que invade a privacidade daquelas pessoas. Ainda que não saibamos o quanto tem de ficção e realidade, vemos pessoas cheirando cocaína, confessando crimes, treinando tiros em coletes à prova de bala, além da já citada cena com as crianças. Isso sem falar em um susto que nos coloca dentro da realidade daquele local de uma maneira extremamente chocante.

Ainda assim, é um documentário poderoso, avassalador em diversos aspectos, que nos deixa pensando sobre a realidade de tantas mulheres como ​Andreia​ ​e​ ​Leidiane. É impossível assistir a tudo aquilo de maneira passiva.

Filme visto no 6º Olhar de Cinema de Curitiba.

Baronesa (Baronesa, 2017 / Brasil)
Direção: Juliana Antunes
Roteiro: Juliana Antunes
Com: Andreia Pereira de Sousa, Leidiane Ferreira, Gabriela Souza, Felipe Rangel dos Santos
Duração: 73 min.

CinePipocaCult :: bom cinema independente de estilo Designed by Templateism.com Copyright © 2014

Tecnologia do Blogger.