19/10/2009

Hotxuá - a poesia que encanta

Leticia Sabatela no CineVIVOPreciso começar esse post explicando a experiência que foi o Cine Papo na última sexta-feira, no Festival Internacional de Cinema de Salvador. Uma desorganização que ainda não entendi direito como foi possível em um Festival desse porte, quase estraga a noite, deixando Letícia Sabatela sem graça e pedindo milhares de desculpas à platéia. Trata-se da exibição de seu primeiro longa-metragem como diretora: Hotxuá. O filme tem parte de sua película falada na língua original da tribo Krahô. Detalhe que parece ter sido esquecido pela produção. Resultado: filme sem legenda em português. A solução foi exibir a cópia com legenda em inglês, que foi preparada para o Festival de Nova York. Algo, realmente surreal, mas será que não dava para testar a cópia antes da exibição?

A sorte é que a atriz (e agora diretora) é uma simpatia de pessoa e muito educada. E o mais importante: o filme é muito bom, pura poesia retratando um tema de extrema importância. Então, assisti feliz, apesar de alguma dificuldade no vocabulário.

HotxuáHotxuá é o nome dado a uma espécide de sacerdote do riso, na tribo indígena localizada no Tocantins. O documentário, feito em dez dias, mostra a relação desse povo com o riso, com seus rituais sagrados e com a aproximação do homem branco. A princípio, Letícia não pretendia dirigir o filme. Conheceu a tribo em 1996 e vinha mantendo uma relação próxima com eles, até que partiu dos próprios índios o pedido. Como o diretor inicial acabou saindo do projeto, a atriz chamou Gringo Cardia para co-dirigir com ela esta espécie de observatório ritualístico. Como disse no Cine Papo, boa parte do mérito do resultado é do diretor de fotografia Silvestre Camp, que abraçou o tema, se infiltrando entre os índios e dando ao documentário um tom mais íntimo.

Esse é o clima que predomina, estamos quase imersos na tribo, ouvindo as histórias daqueles seres antigos e sábios sobre suas raízes. O sagrado é tratado com respeito pelos diretores que não procuram interferir muito no ritual local. Há cenas de grande impacto como a brincadeira dos Hotxuá que abrem o filme. Ou quando os mais velhos explicam aos mais novos a área onde não podem caçar, para manter o equilíbrio. Eles estão embaixo de uma árvore, quando começa a chover e o índio explica os dois mundos na visão dos Krahô: Kayamarê e Wayamarê.

HotxuáA única falha do filme, é a falta de direcionamento. Mostrar a cultura Krahô e o riso sagrado é uma opção confusa, pois cita questões que mereciam aprofundamento, como a visão de mundo daquele povo e a ameaça do homem branco, com a exploração da soja, que pode destruir toda a multicultura da terra. Letícia falou muito bem no Cine Papo sobre isso, só que não está presente no filme. Por outro lado, tenta explorar a questão do riso em outras culturas, ao levar um palhaço de origem européia para tribo. O objetivo ali fica confuso, pois cria uma espécie de disputa sem sentido entre os dois palhaços, quando uma das funções do Hotxuá é exatamente diluir disputas através do riso. O índio fica perdido em meio as brincadeiras com mais malícia do palhaço branco.

É contudo, um belo filme, a fotografia possui um colorido forte, quente, sintetizando o espírito Hotxuá. A montagem também é feliz, intercalando momentos de observação pura com outros onde os índios falam diretamente para câmera. Uma viagem interessante, mesmo com legendas em inglês.


Amanda Aouad

Amanda Aouad é Mestre em Comunicação e Cultura Contemporânea pela UFBA, especialista em Cinema pela UCSal e roteirista de Ponto de Interrogação, Cidade das Águas e Vira-latas. É ainda professora de audiovisual, tendo experiência como RTVC e assistente de direção. Membro da Abraccine (Associação Brasileira de Críticos de Cinema), Sociedade Brasileira de Blogueiros Cinéfilos e da Liga dos Blogues Cinematográficos.

4 opiniões:

Fernando disse...

Deev ter sido bem interessante essa experiência do Cine Papo com Letícia Sabatela, grande atriz e agora diretora??? Quero ver!

19 de outubro de 2009 10:24 Excluir comentário
Renan Barreto disse...

Adorei a ideia do filme. Eu nem sabia que a Letícia estava trabalhando como diretora. Eu gosto dela. E que falha da produção hein. Ela deu uma de Mel gibson dos documentários. huauh Bem, achei uma ótima ideia. Trabalhar sobre o riso. Eu sou meio palhaço então é comigo mesmo. rs

Valeu!!!!!!!!!!!

19 de outubro de 2009 14:07 Excluir comentário
Robin disse...

Fala sério que vocês viram o filme com legenda em inglês??? Eles vieram a Tiradentes passar o filme ano passado, fiquei curioso, agora estou ainda mais, depois dos seus comentários. Sorte para Sabatela, bela ela já é, hehehe.
bjs

19 de outubro de 2009 16:00 Excluir comentário
Amanda Aouad disse...

Pois é, Robin e Renan. Mas, é a vida. Quanto ao filme, vale sim.

Fernando, foi legal a conversa, tanto com ela quanto com o Ismael (um Hotxuá) apesar dele ter uma certa dificuldade em entender a nossa língua. Agora, ela disse que não pretende se tornar diretora, que esse projeto foi uma coisa autêntica que aconteceu a ela, outra direção só se for dessa mesma forma. Ela prefere continuar atriz. Ah, sem falar que é um pouco cantora tb, né? Já viu a participação dela em uma música de Elza Soares? Gosto bastante.
abraços

20 de outubro de 2009 14:08 Excluir comentário

Postar um comentário

Anterior Próximo Página Inicial
Related Posts with Thumbnails
 

Licença Creative CommonsBlog CinePipocaCult by Amanda Aouad is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas License
Based on a work at www.cinepipocacult.com.br
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://www.cinepipocacult.com.br