02/12/2009

Seja educado, cinema é lugar sagrado


Foi-se o tempo em que as pessoas vestiam as suas melhores roupas e iam apreciar um bom filme em uma sala escura e silenciosa chamada Cinema. As novas tecnologias, a velocidade dos tempos modernos, o individualismo crescente tornam a sala de projeção apenas mais uma ferramenta de audiovisual. O que vemos são pessoas sem limites e respeito ao espaço do outro falando em celulares, conversando com a pessoa do lado, brincando em momentos inadequados. Ou seja, aquele que seria o templo do cinéfilo virou mais um lugar de entretenimento fácil da sociedade arrogante que nos tornamos. De nada adianta aqueles filminhos simpáticos ensinando as boas maneiras no local. A projeção começa e podemos ouvir piadinhas sem graça, burburinhos irritantes, toques dos mais polifônicos e esdrúxulos. Cinema virou baderna e quanto mais comercial o filme, mais barulho você vai ouvir. As pessoas assistem à projeção como se estivesse na sala de sua casa assistindo a novela. O problema é que tem gente do lado. As salas de arte ainda são uma alternativa interessante para quem curte o silêncio, mas são cada vez menos opções.


Já vi muitos textos indignados e comentários diversos sobre o assunto. Normalmente, uma experiência negativa marcante  serve de inspiração para um desabafo, ou uma reflexão sobre o momento em que vivemos. Até manual de boa conduta encontramos em um bom blog. Porém, atitudes individuais quase nunca surtem efeito. Talvez nem mesmo a coletiva seja tão frutífera, mas se não fizermos a nossa parte, quem o fará? Reclamar é um direito nosso. Agir é uma atitude que pode, pelo menos, servir de exemplo.

Por isso, no aniversário do CinePipocaCult estamos iniciando uma campanha de conscientização. Vá ao cinema, mas respeite aquele espaço público. Quem está ali, pagou para ver um filme sem ser interrompido por bobagens. Não podemos ultrapassar o limite do aceitável. Se você concorda com isto, escreva um post, coloque um destes selos em seu blog, Orkut, Myspace, Messenger, Facebook, fale, divulgue e comente.

Escolha o banner que melhor se adapta a seu template, copie o código abaixo e coloque em seu blog.

250x250px
Seja educado, cinema é lugar sagrado


125x125px
Seja educado, cinema é lugar sagrado


120x60px
Seja educado, cinema é lugar sagrado


Ícone animado para Twitter e Messenger


Para aplicar de forma correta, após salvar sua imagem, você terá que modificar sua imagem para a extensão .PNG para que ele possa caber no twitter. Para isso clique sobre o GIF, vá até Propriedades e onde estiver escrito: o nome de sua imagem.GIF mude a parte em vermelho para .PNG, e clique OK. Agora é só entrar no Twitter ou no MSN e carregar.





Amanda Aouad

Amanda Aouad é Mestre em Comunicação e Cultura Contemporânea pela UFBA, especialista em Cinema pela UCSal e roteirista de Ponto de Interrogação, Cidade das Águas e Vira-latas. É ainda professora de audiovisual, tendo experiência como RTVC e assistente de direção. Membro da Abraccine (Associação Brasileira de Críticos de Cinema), Sociedade Brasileira de Blogueiros Cinéfilos e da Liga dos Blogues Cinematográficos.

48 opiniões:

Reinaldo Glioche disse...

Hj à noite quando chegar em casa vou pegar um selo desses. Bela iniciativa Amanda. Parabéns! (meu segundo dia aqui e a segunda razão que tenho para te dar parabéns)
Compartilho dessa indignação Cinéfila.
Bjs

2 de dezembro de 2009 12:31 Excluir comentário
charlinger disse...

O duro que um tempo atrás o próprio cinema faltou com o respeito, como só tinha eu, minha namorada e um outro sujeito na sessão eles acenderam as luzes da sala 2 vezes durante a projeção.

Fora a entrada de pessoas que entraram para pegar material da reforma do cinema que estavam estocados dentro da sala, nesta altura já havia perdido a concentração no filme devido a luz que haviam acendido pouco antes.

3 de dezembro de 2009 10:17 Excluir comentário
Robin disse...

Muito bom, fui ver Coco antes de Chanel e tinha um grupinho besta fazendo piadinhas a cada cena. E o pior é que fui reclamar e piorou... Ninguém tem mais noção de respeito.

3 de dezembro de 2009 10:53 Excluir comentário
Marcio Melo disse...

Porra man, nem fale. A tática que eu tento usar é ir em horários diferenciados e cinemas pouco movimentados.

Certa feita eu vi uma mulher levantar da cadeira e dar um grito numa gurizada, começou a bradar por uns 2 ou 3 minutos e o meninos começaram a se encolher nas cadeiras. Foi em Harry Potter e o Enigma do Príncipe.

Não se ouviu depois mas nem a respiração deles hahaha. Mas isso é raro, quando você reclama ou pede educadamente geralmente a situação piora

3 de dezembro de 2009 11:04 Excluir comentário
Rafael Almeida disse...

Cara, deixa fazerem a balburdia que querem. Se é assim que se divertem. Por que a ditadura do silêncio? E qual a arrogancia de achar que sabe melhor como se comportar? Comer pipoca, falar alto e chorar. É tudo do direito de quem quer fazer e quem não quer fazer que não faça.

3 de dezembro de 2009 13:22 Excluir comentário
Cintia Carvalho disse...

Oi Amanda!

Primeiramente, meus parabéns pelo aniversário do cinepipocacult. Seu blog é maravilhoso e merece todo o sucesso que tem e muito mais. Serão mais 2, 10, 15 anos de muitos filmes e ótimos comentários. O que observo sempre aqui é o cuidado e a preocupação em realizar um trabalho com qualidade. Somente quem se dedica e ama o que faz consegue tal feito.

Segundo, o novo layout ficou belíssimo. Elegante, charmoso e tb discreto. Adorei. Gosto de coisas simples e bonitas. Nada chamativo ou muito cheio de cores. No tom certo. E o de vcs é exatamente assim, simples e bonito.

Terceiro, obrigada pelas palavras carinhosas dirigidas a mim. O que escrevi ali foi sincero e verdadeiro.

Agora, em relação a este texto, concordo com vc e colocarei o banner la no cinecabeça. Sou uma pessoa calma, tranquila, discreta e reservada, mas se tem uma coisa que me deixa aborrecida e me faz perder o senso é isso, ir ao cinema e não conseguir ver um filme por causa de um bando de idiotas que ficam azucrinando nossa paciência. Ja passei por cada uma. Ja cheguei ao cúmulo de ter de sair de uma sessão por não aguentar duas jovens meninas átras de mim, falando o tempo inteiro. Como meus pedidos não surtiram efeito, perdi a cabeça e cheguei a gritar com elas. No final, não adiantou, então para não perder a cabeça de vez sai da sala. Mas, olha aquele foi uma das situações mais chatas que vivenciei, pois cheguei ao meu extremo.

Cinema é lugar para ver filme e não conversar. Se alguém quiser fazer isso, que faça em casa, onde a falta de respeito e educação devem imperar. Uma pena, vermos que as pessoas estão cada vez mais mal educadas e egoístas. Não há mais respeito para com o outro. Uma vergonha.

Seu texto esta coerentíssimo. Muito realista mesmo.

Um abraço.

PS. perdão pelo dasabafo é que este assunto me deixa muito aborrecida mesmo.ç

3 de dezembro de 2009 13:43 Excluir comentário
Maurício Lídio disse...

Oi, não sei se lembra de mim. Sou Maurício Lídio que você até postou meu vídeo Bárbara aqui. Eu apoio essa causa!!! Já coloquei no meu blog http://arquivocinecultural.blogspot.com/. Abraços

3 de dezembro de 2009 14:32 Excluir comentário
Ari Cabral disse...

Olha, Rafael, o seu espaço está no limite do espaço do outro. Quebrar esse acordo entre as pessoas é falta de respeito. Assim como a restaurante é lugar de refeição e estádio é lugar de esporte, cinema é lugar de filme. E filme nos pede atenção. Odeio a frase, os incomodados que se mudem. Normalmente, quem incomoda é que está errado. Se alguém pagou caro para estar ali e não quer ver filme, incomoda todos os outros que pagaram também e estão ali para ver. Como diria Setaro, o problema é que as pessoas não vão mais ao cinema, vão ao shopping...

3 de dezembro de 2009 15:55 Excluir comentário
Amanda Aouad disse...

Rafael, respeito sua opinião, mas não é questão de arrogância de achar que sei o certo, apenas partir da premissa que "o seu direito termina no momento em que começa o do outro". Se emocionar com um filme é uma coisa, dar risada na hora certa, chorar faz parte da experiência estética. O problema aqui é outro, é a falta de respeito com o vizinho, é conversa onde não deve, piadas altas e manifestações erradas. Em um espaço público devemos saber os nossos limites, mas as pessoas estão, cada vez mais, agindo de forma individualista.

Maurício, lembro sim... Massa. O importante é isso, a discussão. Essa era a minha idéia.

Obrigada pelas palavras, Cíntia, as minhas também foram sinceras.

beijos

3 de dezembro de 2009 18:22 Excluir comentário
Thiago Freire disse...

Fui no cinema um dia e tinha uns 30 alunos do Salesiano, de farda, indo assistir o filme. Bagunça na fila, Habibs caindo no chão...quando entramos na sala eles sentaram todos juntos, no canto. Começaram a cantar músicas diversas, e pra fechar com chave de ouro cantaram o hino nacional (!), de pé e com a mão no peito (!!!). Pelo menos quando começou o filme ficaram calados :)

Apesar disso, eu concordo um pouco com Rafael. Ninguém deve chutar as costas dos outros nem ficar gritando sem noção, mas a verdade é que a maioria dos cinéfilos (e eu sou um deles) se incomoda demais. Como a Amanda diz no texto, o cinema é como se fosse um "templo". Eu sinceramente acho que as pessoas devem dar risadas na hora errada, e fazer coisas que podem parecer infantis, se é isso que faz com que elas se divirtam. Cinema de shopping é para entreter, não é para apreciar a arte. Embora você possa fazer a última, o objetivo é entreter e arrecadar dinheiro.

E quem disse que a castração do divertimento dos outros não fere suas liberdades? Definir que o direito do silêncio é seu é um pouco egoísta, não?

3 de dezembro de 2009 20:04 Excluir comentário
Amanda Aouad disse...

Thiago, você tem razão em muito do que fala, principalmente que os cinéfilos exageram, mas tudo tem limite e o limite das salas de shopping foi ultrapassado, como Ari repetiu a fala de Setaro "as pessoas não vão mais ao cinema, vão ao shopping..." Os links que coloquei de Clarice, Davi e Setaro foi exatamente para mostrar esses pontos de vista extremos e casos específicos.
Fui assistir Jean Charles em um shopping daqui de Salvador e simplesmente não tinha como se concentrar nele. Uma criatura soltada uma risada escandalosa que geram vários outros manifestos a cada dez minutos de filme. E um outro sujeito soltava piadas a todo momento. Na cena em que ele morre, mesmo, o rapaz gritou "pô, mas o cara era brother", em um tom nitidamente sátiro. O filme não é essas coisas toda, mas a apreciação foi comprometida por esses fatos. Uma pessoa que estivesse envolvida com filme, iria se naquele momento crítico, onde se tivesse um silêncio mais educado, poderia até se emocionar. Mas, como se emocionar nesse clima de baderna? Ao entrar na sala de cinema, é preciso ter um pacto fílmico. Aquelas pessoas estão ali para apreciar um filme, se é para conversar e dar risada com piadas próprias, a mesa de bar ou lanchonete é mais propícia, não?

4 de dezembro de 2009 08:41 Excluir comentário
Amanda Aouad disse...

É, Charlinger, aí é complicado mesmo, mas pelo menos há uma pessoa a quem reclamar (administração do cinema), apesar de saber que devolver o dinheiro ou coisa parecida daria uma dor de cabeça imensa. Uma vez faltou luz em uma sessão e a volta foi bastante conturbada, primeiro voltaram o filme muito depois de onde parou, depois ficou passando partes sem som. Só passado muito tempo, o filme recomeçou do início.

4 de dezembro de 2009 08:45 Excluir comentário
Davi Lopes Ramos disse...

Apoio totalmente a campanha e gostaria de oferecer para o site um artigo que publiquei no jornal A Tarde com este tema. Se chama "Os Tagarelas do Multiplex" e apresenta um tentativa de explicação e solução para o problema. Podem publicar, com créditos é claro. O link: http://naupati.wordpress.com/2009/07/21/os-tagarelas-do-multiple/

4 de dezembro de 2009 11:27 Excluir comentário
Afonso disse...

O que que acho pior é que, quem incomoda, sabe que está incomodando. Faz pra perturbar mesmo. Quando acontece um fato ou outro de alguém que tem uma risada engraçada ou alguém que toma um susto além da conta, faz parte da experiência. Mas chutar cadeira, jogar pipoca nos outros, conversar alto entre si ou no celular por muito tempo é falta de educação. Não sou contra a espontaneidade, sou contra a falta de respeito.

4 de dezembro de 2009 11:28 Excluir comentário
Amanda Aouad disse...

Ô, Davi, obrigada, seu texto eu já tinha colocado o link no post, na palavra "reflexão", coloquei links para o seu, o de Cecilia do Cenas de Cinema, e o de Setaro. Além de um fórum que encontrei sobre o assunto...

Afonso, penso que é exatamente por aí.

abraços

4 de dezembro de 2009 23:34 Excluir comentário
Marcus disse...

Deveriam barrar casais que estão saindo pela primeira ou segunda vez. Geralmente não há muito o que se dizer nestas situações e o cinema é o melhor lugar para quebrar o gelo. Você não precisa prestar atenção no outro o tempo inteiro. Então, o que acontece? Comentários superficiais e irritantes sobre absolutamente tudo. Uma vez um cara falou durante 5 minutos após ver um monumento que apareceu no filme. "Parece com Aracaju. Eu estive lá ano passado quando eu fui fazer meu mestrado. Lá é bem quente. Só que as pessoas lá são meio mal educadas. Você já foi lá? Eu adoro viajar. Eu quero ir pra França este ano.". Eu não conseguia mais prestar atenção no filme. E mesmo depois que ele parava eu esperava ele voltar a falar, sabe? Era angustiante. "Ai, porra, ele vai falar a qualquer momento. Ele vai falar agora." Minha namorada pediu educadamente pra eles fazerem silêncio. Eles continuaram e tivemos que mudar de lugar.

É claro que nem todo casal que sai pela primeira vez faz este tipo de coisa. Eles eram estúpidos. Então, por que não colocam de volta o lanterninha? Quando eu tinha uns 12 anos o lanterninha tirou eu e meus amigos da sessão de "Além da Linha Vermelha". Eu nunca mais badernei no cinema. Depois a gente saiu e ficou sem dinheiro e nada pra fazer. Foi chato.

Vou apoiar a campanha, mas sugiro outra: "Lanterninhas (foto). Envergonhando os imbecis."

5 de dezembro de 2009 21:45 Excluir comentário
Danilo Pestana disse...

Olá, assistam o curta "Eh Noìs No CinE". Trata dessa questão.
Muito boa essa iniciativa CinePipocaCult!
http://www.youtube.com/watch?v=oW-R7P3TZuU

Sinopse:
Adolescentes, conversas, pipocas: a missão impossível de assistir ao um filme nos complexos de cinema.

Sobre o vídeo:
A ida ao cinema se transformou numa das etapas do processo de shoppear. Após a perambulação pelo shopping, o desfile costumeiro, as compras, o encontro com amigos, o fast food, surge o cinema como uma espécie de conclusão do ato de ir ao shopping. Baseado nas idéias do professor e crítico de cinema André Setaro e dirigido por Danilo Pestana, o vídeo retrata o comportamento das pessoas nos complexos de cinema.

http://www.youtube.com/watch?v=oW-R7P3TZuU

7 de dezembro de 2009 13:49 Excluir comentário
Anônimo disse...

Dou o maior apoio, visto que certa vez, esta eu la assisrtindo homem de ferro, e na fileira de tras, tinha um grupinho de aborrecentes, aos quais não pararavm de dar risadinhas uns para os outros, e mesmo eu e mais alguns cinefilos, fazendo aquele famoso "shiiiiiii", eles não aquietavam, ate q perdi a paciencia, e mesmo sentado, falei bem alto pra todo mundo ouvir "Cala a boca voces ai, paguei pra ver o filme, e não pra ouvir as risadinhas de voces"....foi o suficiente...ficaram todos quietinhos....e eu sempre faço assim, minha esposa fica puta comigo, mas pago caro pra ir ao cinema, pra ter minha atenção desviada por gente sem noção!!! Quer conversar e dar risadinha? vai la pra fora!!!!!

7 de dezembro de 2009 16:35 Excluir comentário
Cristal disse...

Ontem fui assistir Coco Avant Channel no Cinema do Museu e só lembrei dessa campanha... Alguém passou os 20 primeiros minutos do filme mexendo num saco plástico que só podia ser de tamanho GG. Depois que comeu tudo o que podia, dos itens mais barulhentos, o silêncio finalmente voltou a reinar na sala de projeção.

15 de dezembro de 2009 12:57 Excluir comentário
Cristiano Contreiras disse...

Bela iniciativa, faço coro: principalmente em Salvador, onde não há um apreço pela educação dentro ou fora dos cinemas..e tenho dito! Podem se doer aí!

beijo, Amanda!
Aparece!

17 de dezembro de 2009 16:42 Excluir comentário
Jonathan Rodrigues disse...

olá, parabéns pela campanha, já ajudei na divulgação pelo meu twitter e fiz um post no meu blog falando sobre ela.

abraço e feliz 2010

31 de dezembro de 2009 15:40 Excluir comentário
André C. disse...

Amanda,
excelente campanha! Eu admito que prefiro ir em cinemas menores por causa disso. Concordo que tem filme que eu também me empolgo, se eu tivesse visto o último episódio de Lost no cinema, com certeza não faria tantos comentários como fiz em casa. Realmente o meu direito termina quando acaba o do próximo!

Vou colocar no meu blog a campanha! E o seu Link Tb!

Bjos

25 de maio de 2010 17:00 Excluir comentário
Amanda Aouad disse...

Fico feliz com todas as manifestações de apoio, essa é uma campanha que não acaba nunca, enquanto existir humanidade será preciso lembrá-la da necessidade do respeito e educação.

26 de maio de 2010 08:52 Excluir comentário
Elton Telles disse...

Olá Amanda!

não sabia que essa ótima iniciativa partiu do CinePipoca Cult. Sempre via nos blogs o selinho ultra pertinente e me perguntava de onde saia e que queria um parecido para ilustrar minha página. A propósito, parabéns pela campanha. De grande utilidade para os cinéfilos.
Vou aderir!

abraço!

19 de agosto de 2010 11:07 Excluir comentário
Amanda Aouad disse...

Pois, Elton, junte-se a nós. Será um prazer...

abraços

19 de agosto de 2010 12:21 Excluir comentário
Tiago Vitória disse...

Uma excelente iniciativa. Muitos parabéns pela ideia, vou colocar um selo no meu blog e tentar espalhar a palavra, porque o que para uns pode ser mais uma ida ao cinema, para mim é sempre uma ocasião especial. (:

1 de novembro de 2010 20:42 Excluir comentário
Amanda Aouad disse...

Que bom, Tiago, precisamos mesmo, pois cada vez mais vemos as salas de cinema serem maltratadas.

abraços

2 de novembro de 2010 11:38 Excluir comentário
Cássio Bezerra disse...

O DC também apóia essa causa!

24 de novembro de 2010 17:31 Excluir comentário
Amanda Aouad disse...

Que bom, Cássio... A idéia é mesmo espalhar a mensagem...

abraços

24 de novembro de 2010 18:26 Excluir comentário
Letícia disse...

To terminando de montar meu blog e ja visito alguns...

muito legal essa campanha ae...reparei q muitos blogs tem...mas pq o do apimentario tem uma cor diferente no selo?!! como consigo aquela cor vermelha? tem outra cor tb ou so essas daqui?

7 de fevereiro de 2011 16:29 Excluir comentário
Ari Cabral disse...

Letícia. Ficamos muito felizes com o seu interesse. Existe uma arte só para o selo, mas Cristiano do Apimentário me perguntou se podia mudar a cor. E eu respondi que sim. Bom, fique à vontade também para customizar a imagem e colocar no seu blog. Afinal, o espaço é seu. Abraços e volte sempre. ;)

7 de fevereiro de 2011 16:45 Excluir comentário
Rodrigo disse...

O meu blog também concorda com a causa, e já coloquei o logo lá. Obrigado pelo ótimo incentivo. Essas coisas sempre me distraem, e me lembram que eu estou no cinema, enquanto poderia estar no mundo do filme.

12 de fevereiro de 2011 23:20 Excluir comentário
Amanda Aouad disse...

Exatamente, Rodrigo, a gente acaba não conseguindo entrar no filme com tanta interferência. Lamentável mesmo.

13 de fevereiro de 2011 10:03 Excluir comentário
Louie disse...

Cara, iniciativa fantástica! Vou aderir tranquilamente e divulgar no blog!

http://chuvadenoe.blogspot.com/

Parabéns brother

21 de fevereiro de 2011 09:57 Excluir comentário
Mirella Santos disse...

Amanda já aderi a campanha no meu blog tbm, mto boa. http://cidadenova12.blogspot.com/

24 de fevereiro de 2011 00:08 Excluir comentário
Alan Raspante disse...

Vamo embora contribuir. Causa super aderida O/
www.cinegrafia.blogspot.com

2 de março de 2011 16:37 Excluir comentário
Amanda Aouad disse...

òtimo, Mirella, Alan e Louie, bem vindos ao clube. A gente não desiste nunca.

2 de março de 2011 23:42 Excluir comentário
diego disse...

Acho que ainda não é tarde, estou dentro também!
http://oirlandes.blogspot.com/

26 de março de 2011 23:29 Excluir comentário
@claritalsalgado disse...

Excelente campanha! vi lá no "Porra, Man!", mas tinha que vir comentar aqui tb!

Eis o meu lema, como humilde aspirante a cinéfila que sou!

“O verdadeiro cinéfilo vai ao cinema sempre sozinho. Senta-se invariavelmente nas laterais da sala. Não mastiga chiclete nem come qualquer tipo de guloseima. Não lê jornais nem revistas, pois permanece nas nuvens, concentrando a tela com ar de concentrada estupidez até começar a projeção. (...) Desaperta o cinto, desamarra os cordões dos sapatos e o nó da gravata e trata de apoiar os joelhos ou pôr os pés no espaldar da poltrona dianteira. Cinco minutos depois de começada a projeção, pode estourar uma bomba no cinema que o verdadeiro cinéfilo não se dará conta.”

Gabriel García Márquez

Depois disso, não preciso dizer mais nada!

8 de julho de 2011 00:23 Excluir comentário
Amanda Aouad disse...

Verdade, Clarita, depois disso, só o silêncio. E bom filme.

8 de julho de 2011 01:41 Excluir comentário
Maxx disse...

Excelente seu espaço. Aceita uma parceria?

Abç.

Maxx

http://telecinebrasil.blogspot.com/

17 de agosto de 2011 21:07 Excluir comentário
Amanda Aouad disse...

Obrigada, Maxx. Que tipo de parceria seria?

Qualquer coisa, manda e-mail: amanda@cinepipocacult.com.br

abraços

19 de agosto de 2011 00:03 Excluir comentário
Anônimo disse...

Hoje em dia prefiro comprar o filme ou mesmo baixar e assistir no conforto de casa sem nenhum barulho.O desrespeito é tamanho.Mas o pior é ter que ouvir piadinhas de quem não entende nada de cinema e fica lá perdido rindo de cada cena que passa.E olha que isso hoje em dia está acontecendo até nas salas alternativas.
Adorei seu espaço Amanda.Parabéns,ótimos posts.
Abraço.
Paloma.

1 de novembro de 2011 00:58 Excluir comentário
Gustavo Figueiredo disse...

Oi Amanda
Eu não sei porque mas só li algumas palavras do título e entendi como se fosse sobre respeitar o lugar marcado no ingresso ! Talvez eu seja disléxico como o Tom Cruise. E as semelhanças acabam por aí...he he he
Mas enfim, essa questão de respeitar o lugar também está dentro do contexto de educação na sala de projeção.
Fui com a minha família assistir o Meia Noite em Paris, do Woddy Allen. Comprando o ingresso pela internet, ou mesmo em algumas bilheterias, se tornou possível escolher o lugar. Claro que quando você compra, você quer escolher o melhor disponível, de preferência de frente pro meio da tela para ter uma melhor visão.
Éramos quatro pessoas. Chegando na sala, uma senhora estava bem em um dos nossos lugares. O cinema não estava totalmente cheio, mas haviam diversos lugares vazios, inclusive a fileira à frente da nossa. Como tinha chegado antes do meu pessoal, pedi licença e falei que aquele lugar era nosso. A mulher se fez de surda, e nem ligou, acho que resmungou qualquer coisa sobre o cinema estar vazio. Com a chegada do resto do meu grupo, novamente pedi que ela se levantasse, mas novamente, de nada adiantou. Aí criou aquela situação meio chata, onde você está com a razão, mas a outra parte não quer nem saber, e que acaba te tirando do sério. Você ali, em pé, em plena sala de projeção, acaba chamando a atenção do resto do cinema.É meio constrangedor quando isso acontece, mas nem por isso ia desistir. Acabou que numa terceira "encheção de saco", a senhora se levantou, reclamando, dizendo qualquer coisa sobre isso de lugar não ter importância e coisa e tal. Mas pelo menos conseguimos assistir, e no lugar onde escolhemos.
Na verdade, o erro foi meu em insistir em pensar que as pessoas são educadas como nós. A primeira coisa que devia ter feito é ter chamado um gerente e passado o problema pra ele.
Qual seria a solução pra esse e para os demais problemas que foram falados aqui ? Voltar o lanterninha ? Pode ser, já que as pessoas esqueceram como se comportar no cinema.
Só pra finalizar, queria disser que conheci o site há pouco tempo e já me tornei fã. Artigos muito interessantes, principalmente As Grandes Cenas. E foi bom saber que não é uma implicância só minha a com o Luciano Huck dublando (estragando?) o Enrolados.
Abraços.

4 de dezembro de 2011 19:20 Excluir comentário
Amanda Aouad disse...

Pois é, Gustavo, você tem toda a razão. A falta de edução vem de todos os lados, e essa situação das cadeiras marcadas é outro grande problema. Até porque vira uma bola de neve, vai se você resolve deixar a tal senhora sentada em seu lugar e vai para outro, aí perto do filme começar chega o dono da cadeira onde você está, olha a confusão formada e agora com você como errado. E o pior é que a gente se sente sozinho na sala, daqui que saia e consiga algum funcionário para resolver o problema, é uma vida.

Obrigada pelo elogio, volte sempre. E com certeza, não foi só você a reclamar de Luciano Huck hehe.

abraços

5 de dezembro de 2011 17:59 Excluir comentário
Fabiane Bastos disse...

Antes tarde do que nunca! Aderindo à campanha lá no blog "Ah! E por falar nisso..."

19 de dezembro de 2011 16:20 Excluir comentário
Sandra Portugal disse...

Corretísima abordagem sobre educação nas salas de cinema!!!
Sandra
http://projetandopessoas.blogspot.com//

6 de maio de 2012 18:12 Excluir comentário
Brindes Gratis disse...

Muito legal o seu blog, parabens

10 de junho de 2012 17:29 Excluir comentário

Postar um comentário

Anterior Próximo Página Inicial
Related Posts with Thumbnails